quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Metas de outubro

Uma das metas eu já alcancei em parte, mas só vou ticar no final do mês pra sentir mais alegria ao avaliar... rs

- Realizar mais um destralhe geral da casa.

- Escrever no blog que criei para produzir conteúdos pedagógicos ligados a surdez

- Assumir uma responsabilidade no trabalho que pode enriquecer minha experiência e agilizar o progresso do aluno(montar planejamento e manter registro)

- Passar mais tempo no trabalho voluntário de ensino bíblico.

- Reduzir Netflix (tenho assistido pelo tablet enquanto lavo a louça e cozinho. Mas por vezes acabo assistindo "só mais um" episódio no sofá ou na cama.)

- Aprender mais músicas no violão.

- Participar de fóruns, seminários, encontros e etc... ligados a meu trabalho ou não.

- Fazer alongamentos, melhorar alimentação e beber mais água.(vou deixar o exercício pela caminhada de ida e volta ao trabalho, ok? Depois que meu corpo acostumar aumento isso.)

- Escrever mais no blog... fui lembrada pela Tiane que este era um bom alvo.

- Admirar mais os detalhes e a beleza que está aí ao meu redor a cada dia... e colocar as fotos por aqui e no Instagram(embora desinstalado dá pra usar pelo site). Como esta que tirei mês passado:




E lá vamos nós!

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Balanço do mês: Setembro/2017




Bom... então vamos lá... pensar sobre como foi o mês. Eu poderia olhar com os olhos pessimistas, e ver tudo que deu errado, todos os dias mau usados. Ou das frustrações. Mas não quero mais ser cruel comigo mesma. Quero me levantar a cada queda, com paciência, sabendo que as quedas fazem parte da vida. Mas vou citar brevemente os fracassos, porque reconhecer os erros é parte essencial de um processo de mudança.

- A fibromialgia atacou, não só em setembro, mas já tem tempo que está diariamente me torturando. Ela é uma influenciadora para os outros fracassos.
- Pensei que havia me habituado a acordar cedo, não passo de 6h da cama nem nos finais de semana e estava a me orgulhar disso. Acabei de perceber que é a dor que me tira da cama. As noites são angustiantes de incômodo e dor, de manhã chega um momento que é insuportável e eu levanto. Não era disciplina.
- Estive mais tempo na Netflix que gostaria, muito mais do que eu me orgulharia em dizer.
- Não cuidei em nada da minha alimentação. Quase todas as refeições foram improvisadas e não planejadas.
- Não fiz atividade física, embora reduzi uma passagem para ir ao trabalho, colocando aí quase uma hora de caminhada somando ida e volta.(com o sapato inadequado, confesso)
- No geral, não cuidei de mim...

Embora eu deteste tomar remédio vou voltar ao relaxante muscular para dormir. As olheiras estão profundas e não dá mais pra ficar assim.  Detesto tratar o sintoma no lugar do problema.  Mas sinto que é necessário no momento.

Sobre os objetivos que coloquei no início do mês:
- Caderno de agradecimentos diários
- Caixinha ou potinho dos momentos felizes e conquistas
- Uma receita nova por semana - foi quase!

- Manhãs mais produtivas... agindo em prol dos meus objetivos mais significativos. (Não envolve conquistas profissionais, são alvos pessoais) - Foram no geral bem melhores, cuidei da casa, fiz leituras, cuidei de assuntos espirituais.

Coisas boas que aconteceram e não estavam na lista dos planos pro mês:





- Estive com meus sobrinhos.  Aprender a promover encontros simples com aqueles que amo é um dos meus alvos mais significativos. As pessoas são o que tem valor nas nossas vidas.  Não adianta me colocar numa caixa e tentar melhorar, me desenvolver, sem a presença das pessoas.  É no convívio que aprendemos coisas valiosas.








- Consegui me manter menos crítica, evitei ferir minha família com expectativas.  Aprender a aceitar as pessoas como são e ter mais paciência quando fizerem escolhas erradas, sabendo que me alterar só piora tudo.  Difícil fazer isso com adolescentes... mas estou em busca da serenidade também.
- Inscrevi-me em um fórum para aprimoramento da minha profissão. Sinto muita falta de estudar.
- Voltei a tocar violão ... 💓💓💓

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Setembro... mês de mudanças

É, setembro, sempre gostei de você. Você traz a primavera. É o começo de coisas novas.
Mas, setembro de 2017, você chegou depois de muitas tristezas, e não se assuste... mas tô com umas expectativas aí. Eu sei que é a "expectativa que adoece o coração".  Mas com você, não posso evitar.

Esse mês decidi reduzir minha carga de trabalho pela metade. Com isso meu salário também reduziu pela metade.  Mas tudo bem. Quero mais tempo pras coisas mais importantes, para o que me faz vibrar(que ultimamente nada tem me feito vibrar)... para cuidar de mim, tentar recuperar minha saúde, um pouco de alegria e alguma satisfação. Experimentar coisas novas, cuidar das velhas.

Estou conseguindo continuar no meu objetivo de ver meus amigos. Não com tanta frequência como gostaria, mas, no mínimo uma vez ao mês rever alguém que amo.

Porém, há muito mais a ser feito na minha vida... e viver momentos bonitos, e fazer os dias bonitos. Vamos falar mais sobre isso... fazer os dias bonitos. Viver bonito... Isso envolve encher os dias de carinho... para a família, amigos, conhecidos, animais de estimação.  Envolve capricho na casa, no estudo, no trabalho, na alimentação.  Mais cuidados pessoais, alimentação saudável e diferenciada e exercício.  E sempre no topo da lista cuidar da espiritualidade, leituras e ações significativas.

Claro que não se pode ter tudo e mudar toda uma vida em um mês. Os objetivos serão estabelecidos aos poucos. E sei que de nada valem palavras vazias.

Para este mês:

- Caderno de agradecimentos diários
- Caixinha ou potinho dos momentos felizes e conquistas
- Uma receita nova por semana
- Manhãs mais produtivas... agindo em prol dos meus objetivos mais significativos. (Não envolve conquistas profissionais, são alvos pessoais)


Por uma vida com mais simplicidade bonita... momentos simples e agradáveis.

sábado, 2 de setembro de 2017

Autoestima e estética

Olá, queridos leitores

Prestem atenção que hoje vou falar de uma coisa que não falo muito.  Aliás, é um assunto que ficou meio esquecido por uns tempos na minha vida. Essa pode ser a primeira e única vez que falo disso.(ou não)

Este mês comecei a perceber algumas coisas. Li algumas coisas falando sobre linguagem corporal e imagem. Refleti sobre a imagem que eu passo. De fato essa não é uma grande preocupação na minha vida... "o que os outros pensam é problemas deles", não é? Mas comecei a perceber como isso influenciava minha imagem profissional. E em como as pessoas no geral me viam.

Você se ama? Se acha bonito? Está satisfeito? Creio que poucos responderam que sim.

Meus amigos, um erro clássico da sociedade de hoje é fazer o caminho inverso, cuidar da aparência e esquecer do interior. Aí olhamos em volta e vemos corpos e rostos ma-ra-vi-lho-sos e mentes ocas, você sabe que a mente é oca quando as vozes alheias ficam ecoando dentro delas.  Mas talvez algo óbvio, que eu não tinha pensado, é que, olhe só: O oposto também pode acontecer!  Você se preocupa em ler, em ser alguém que tem ideias e pensamentos próprios, que tem espiritualidade, busca simplicidade e tudo mais, mas de repente você se vê descontente quando se olha no espelho.  Deixou talvez a saúde de lado, e alguns cuidados pessoais.  E nós, somos um ser conectado. Gostamos de nos olhar no espelho e que nossa imagem esteja de acordo com o que sentimos e com os objetivos. E gostamos de ser tratados com respeito.  E uma aparência bem cuidada influi muito nestas coisas.  Saúde física e emocional, estar feliz com quem você é e com a sua aparência(e isso tudo é uma questão daquilo que você escolhe e não dos padrões da mídia, okkk?). Cuidar da alimentação e de atividades físicas. Tudo em equilíbrio. A palavra de sempre: Equilíbrio!

Sobre o efeito de se cuidar(exteriormente):
Não menosprezem isso, tem um efeito poderoso! Há tempos li um artigo que mencionava que pessoas com doenças debilitantes deveriam ao acordar se arrumar, ainda que para ficar em casa. Pentear o cabelo.  Passar o dia com a roupa que acordou é desestimulante e provavelmente você não fará muito neste dia. Posso falar isso por experiência própria.  Tem uma galera que fala até de calçar sapatos, mas quanto a isso não há quem me convença! rsrsrs
Sim, galera, se vocês concluíram que eu sou o tipo de pessoa que passa o dia com roupa de dormir e sem pentear o cabelo, ACERTARAM!!! Mas isso está mudando!
Cuidei de algumas coisas que não estavam muito legais com relação a minhas roupas, dei um trato no  cabelo, fiz um pequeno destralhe tirando peças que precisavam se aposentar, de bolsa ficaram apenas duas, mais que o suficiente pra mim. Poucas coisas são necessárias, mas elas precisam ser boas.  E vou falar, fiquei bem feliz. É claro que toda mulher sabe que uma mudança no visual dá um up na autoestima imediato que logo desaparece. Mas não se você está se cuidando como um todo. Demonstrando por si mesmo um respeito diário.

Ah... e de quebra... as pessoas te tratam melhor.  Um pouco feio isso, não seja assim.  Mas de fato, isso acontece.  Talvez as pessoas nos tratem como nós nos tratamos. Talvez elas só sejam estúpidas e não saibam olhar além das aparências. De todo o modo... o mais importante não é isso. É como você vai se sentir. Como isso vai ajudar você a se sentir mais confiante.  E se vocês prestaram bastante atenção, entenderam que eu não gastei quase nada pra isso, não estou falando de uma transformação a la "Esquadrão da Moda"... é um um pouco de carinho a mais nos cuidados pessoais diários, que vai só um pouquinho além do banho e da roupa limpa. Só um pouquinho!

E é isso...

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O essencial: Amigos

Nessa busca insana pelo que é importante num mundo de distrações, descobri que de fato esse mundo egocêntrico nos afasta demais das pessoas a nível real, por que nos iludimos com o virtual.  Mas agora estou mais consciente disso. E embora eu queira sempre me isolar... vejo que estar com meus amigos é o que me faz bem.  Estou me esforçando para encontrar com eles, e eles são tão especiais.
Quero falar de uma pessoa especificamente. Uma amiga incrível que pude rever esse mês, esse mês maravilhoso que me trouxe muitas oportunidades de ver amigos.

Já notou como as pessoas gostam de ser as melhores? Como as pessoas gostam de aparecer? Querem ser melhores que seus amigos, melhores que seus cônjuges e familiares. Isso porque esse mundo só olha para os melhores. Só olha para os que aparecem por serem inteligentes ou engraçados ou habilidosos.  Vejo isso em um dos meus locais de trabalho, há pessoas, jovens e adultos, que ficam todo o tempo tentando mostrar como são legais. Olham para o outro sem ver. E eu me sinto totalmente apagada lá, até minha voz fica mais baixa que o normal. Sinto-me adolescente de volta à escola neste lugar (Bom, é uma escola, mas eu não sou aluna! Rs). As pessoas não me viam, não sabiam quem eu era, e se contentavam com o exterior... sendo que o exterior era bem estranho já que eu me sentia muito mal naquela guerra de egos. É justamente o que sinto agora.  Ninguém me conhece e nem procura conhecer. Vejo pessoas que sabem falar, mas não sabem ouvir. E como na adolescência, eu já não mais me preocupo em tentar falar.  Imagino que façam uma ideia totalmente errada de mim... mas já não importa, eu cheguei naquele lugar destruída pelo luto, e nunca ninguém percebeu as lágrimas nos meus olhos.  Então, não é desse tipo de gente que eu quero me cercar. Pessoas que acham que alguns merecem atenção e outros não. Sendo eu incluída na categoria dos que não merecem.  Cada um concentrado em ser melhor que o outro.  Olhando tanto para si que não conseguem ver mais nada.  Vi meus alunos surdos passarem por isso também, invisíveis. (Com algumas exceções, nem todos são assim)

Agora... sobre a minha amiga.
Ela não é da categoria acima. Ela é inteligente, é habilidosa e muito capaz. Tudo que ela quer fazer, ela faz. Mas sabe o que ela faz melhor?  Incentivar pessoas.  Ela olha pras pessoas e as incentiva, e dá suporte, dá elogios sinceros e se for preciso procura meios para que as coisas se realizem. Ela não se importa de fazer parte dos bastidores. Ela nos vê em nosso potencial, porque não está focada em si mesma. E nos ajuda a ir para frente.  Aceita o que somos e se interessa mesmo pelas pessoas que normalmente são rejeitadas, porque ela se interessa por todos, principalmente pelos que mais precisam. E mesmo ajudando, não se acha superior a ninguém.  Ela ouve... e ouve mesmo. Ela olha e enxerga. Não está tentando ser melhor que ninguém, está sempre interessada no que pode aprender com os outros e também se interessa pela parte difícil, pelos problemas.  Isso a faz ter experiências gratificantes.  O marido dela é assim também... o que faz deles um casal muito amado por sua simplicidade e simpatia(ou devo dizer empatia?).
Fiquei feliz em estar com eles. E com outros amigos também.


É de gente assim que eu quero me cercar... é assim que eu quero sempre ser.  É importante se cercar de gente do bem.  Eu já não me gasto tentando agradar quem não é assim.  E quando tento, geralmente me arrependo, pra quê colocar energia no que não vale?
 Assim mesmo há algo que eu preciso melhorar.  Sinto algo ruim em lugar assim e me apago. Eu desapareço. Uma coisa é não se importar em agradar, outra é mudar.  E eles me mudam, eu fico triste naquele lugar.  Eu quero conseguir ser o que sou em qualquer lugar.

Termino com esse objetivo. E um tanto de outras coisas a pensar!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Autoavaliação em busca do desenvolvimento pessoal

Todos os dias, precisando ou não me levanto cedo. Nem sempre para um tempo tão bem utilizado em relação a produtividade. É só que uma inquietação toma conta de mim. Os muitos pensamentos não me deixam dormir.  Aí me levanto, sempre na promessa de fazer algo diferente com meu tempo, mas quando vejo já estou curtindo fotos no Instagram, adicionando livros a lista dos que quero comprar e ler.  Assisto muitas palestras.  Tudo isso com a consciência plena que nada disso pode me ajudar enquanto estou na inércia, e deixando de fazer coisas necessárias como lavar a louça, ou outras mais produtivas como ler e estudar mais, escrever mais...e tantas outras.

Em busca do essencial, Henry Thoreau viveu dois anos nos bosques com quase nada além de poucos livros(não lembro quantos ou se era um), quase nada de dinheiro, longe de pessoas e da sociedade da forma como é aceita.  Para encontrar a essência do próprio ser se afastou dos ruídos... dos ruídos da sociedade. Aquela que te diz como viver, como se vestir, e dita até mesmo uma forma aceitável de pensar.  Aceitava a presença daqueles que passavam... mas estava longe da sociedade.  Não ficou lá pra sempre... só tempo suficiente para tirar conclusões e solidificar algumas outras teorias. Daí voltou, escreveu Walden, e viveu sua vida com aquilo que aprendeu. Sem se moldar aos que dizem saber o que é certo.

Hoje, há o excesso de informação em forma de distração, nos manter distraídos é nos manter alienados, porque quase sempre refletem o modo de ver da sociedade e incentivam o consumo.  Vivemos imersos na era da informação rápida. Acho que isso contribui para as pessoas ansiosas(eu faço parte desse grupo), para a diminuição de leitores já que a sociedade desaprendeu fazer o que leva tempo, a geração fast-food veio pra ficar.  Confesso que eu tenho me mantido distraída.  É que desde que perdi alguém importante na minha vida, meus pensamentos tem sido muito aflitivos, e aí eu me distraio para não enfrentar esses sentimentos.

Nos mantemos distraídos, alienados, porque queremos fugir de nós.  Queremos não pensar, pois nossos pensamentos talvez não estejam tão felizes assim. Enchemos a vida de ruídos para não ouvir nossa mente.  Claro, isso só atrapalha nosso desenvolvimento pessoal.  Enquanto olhar pra fora e não pra dentro, não vamos nos encontrar. Precisamos nos autoavaliar. Disso eu posso falar com convicção. Não frequento psicólogo embora eu saiba que é muito importante, infelizmente minha condição financeira e de tempo vem mudando muito no últimos dois anos.  Mas eu aprendi a estar constantemente me autoavaliando. Isso foi o minimalismo que me trouxe... uma vida mais consciente em muitos sentidos.

Pense sempre em porque você está fazendo o que faz, porque compra o que compra, porque usa seu tempo com determinada coisa. Pense sobre suas ideias e sentimentos, entenda como influenciam seu modo de agir. Você se sabota? Entenda os motivos. Faz alguma coisa que não quer fazer mais? Encontre o gatilho que leva a esse comportamento.

Então não vou mais me distrair. Vou enfrentar meus monstros. Porque só assim podemos fazer algo por mim.

Parar de viver passivamente, meus amigos, não é fácil.


quinta-feira, 29 de junho de 2017

Mutilada

Acho que a vida é dura com todos.  E ninguém é forte o bastante para suportar.  Vai nos cortando aos pedaços, e vamos seguindo, cada dia mais mutilados até chegar a morte.
No fim a vida te tira até a capacidade de ver e ouvir, ir ao banheiro, tira seus parentes, amigos, saúde.  E assim vai te mutilando, até que um dia não resta nada e você morre.
Não satisfeita a morte te desintegra até virar pó.

Não escapa ninguém, rico ou pobre, bom ou mau. Se você fizer algo de bom na sua vida, você é um vitorioso. Se você consegue sorrir de coração, você é alguém forte.

No fim é só o que vale, as lembranças boas que temos pra nos apegar, e que sejam o bastante para dizer que a vida valeu.

A vida é tão frágil. A morte pode estar na próxima esquina. E que lembranças eu vou deixar? Que tipo de pessoa eu sou para os outros?

***

Eu tenho fé, e acredito na esperança da Bíblia, eu escrevi esse texto acima enquanto a dor era muito forte, por isso o pessimismo tão forte.  Porque na verdade, eu me sinto mutilada sim. Sinto que isso é pra sempre.

O luto e todas as culpas que ele traz me ensinaram uma coisa: o orgulho não vale de nada. Dê o seu melhor, independente de retorno, porque quando alguém se vai, você quer ter certeza que fez tudo que podia.  E o orgulho muitas vezes não te deixa fazer tudo que pode.  Não fique ofendido, não guarde mágoa e faça o bem.

Sempre discordei da frase "Fazer o bem sem olhar a quem", porque eu achava que deveria ajudar aqueles que merecessem mais. Mas quem é que merece mais? Quem sou eu pra julgar isso?

A Bíblia nos ensina a pagar o mal com o bem. Isso pode parecer ser bobo, mas não é.  Independente do que te façam, você tem que ser aquilo que quiser ser. E se escolheu ser alguém bom, seja bom. Independente dos outros. Ame sua família, passe tempo com ela, ajude a quem puder. Não ligue pro que os outros fazem, não permita que abusem de você, mas seja bondoso até com aqueles que tentarem fazer isso... não permita que te façam mal, mas não dê o troco.  E não pare nunca de falar com ninguém, você nunca sabe quando será a última oportunidade.

Desde que eu era criança eu tinha esse medo. Sempre que eu brigava com alguém eu sonhava que a pessoa morria, isso ainda acontece. Então eu logo tento fazer as pazes.  Mas pode não dar tempo, então resolva seus problemas com as pessoas que você ama. Enquanto vocês podem. Não perca tempo com desavenças. Não vale a pena. Só te tira mais um momento que você poderia viver com alguém.

Estou voltando pra cá, pro blog, mas sinto informar que talvez eu fique um pouco repetitiva.
Obrigada a quem quer que esteja ainda por aqui...